- Sputnik Brasil, 1920
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Presidente da Câmara dos EUA deixa a Ucrânia no limbo, priorizando ajudar Israel

© AP Photo / Manuel Balce CenetaO presidente da Câmara dos Representantes, Mike Johnson, fala a repórteres após reunião com o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, no Capitólio dos EUA, em Washington, D.C., em 12 de dezembro de 2023
O presidente da Câmara dos Representantes, Mike Johnson, fala a repórteres após reunião com o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, no Capitólio dos EUA, em Washington, D.C., em 12 de dezembro de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 15.04.2024
Nos siga no
O presidente da Câmara dos Representantes, Mike Johnson (republicano pela Louisiana), aproveitou a oportunidade para avançar com um pacote independente de ajuda a Israel após o ataque do Irã. A equipe Biden vê o evento como uma chance de aprovar o projeto de lei de segurança nacional de US$ 95 bilhões (cerca de R$ 492,5 bilhões) no Congresso.
O presidente da Câmara dos EUA indicou no domingo (14) que "compreende a necessidade de estar ao lado de Israel". Ele declarou a sua intenção de mais uma vez pressionar por um pacote de ajuda em resposta ao ataque retaliatório de drones e mísseis de Teerã na madrugada de sábado (13), buscando vingança pelas mortes de dois generais iranianos em um ataque israelense à sua embaixada na Síria.
Ainda é incerto, no entanto, se a proposta de Johnson incluiria ajuda à Ucrânia e a Taiwan.
Em sua entrevista à Fox News no domingo, Johnson detalhou os esforços contínuos do Partido Republicano na Câmara para aprovar pacotes de ajuda para Israel desde outubro de 2023, enfatizando a necessidade crítica de apoiar Tel Aviv.
Quando questionado sobre o que pensa sobre o financiamento da Ucrânia, o orador disse que discutiu a possibilidade de enviar ajuda ao Estado do Leste Europeu sob a forma de um empréstimo, como o ex-presidente Donald Trump sugeriu na última sexta-feira (12). Ele também abriu margem para a utilização do Ato REPO (lei de reintegração de posse) para dar ao presidente dos EUA autoridade para apreender ativos soberanos russos congelados nos EUA e transferi-los para Kiev.
Edifício do Consulado-Geral do Irã atingido pelo ataque aéreo israelense em Damasco, Síria, 1º de abril de 2024 - Sputnik Brasil, 1920, 14.04.2024
Panorama internacional
Especialista: escalada no Oriente Médio pode acelerar envio de ajuda dos EUA para Ucrânia e Israel
A lei norte-americana (Ato REPO HR4175) para os ucranianos foi apresentada na Câmara em julho de 2023 e mais tarde recebeu apoio do Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA, em 24 de janeiro de 2024. No entanto, preocupações foram levantadas por alguns legisladores, como o senador Rand Paul (republicano pelo Kentucky), que alertam contra as potenciais consequências da apreensão dos bens congelados de Moscou. Segundo ele, essas repercussões poderão incluir uma subsequente guerra econômica entre os EUA e a Rússia, o aumento das tensões na Ucrânia e a erosão da confiança nos EUA como um líder econômico global fiável.
Embora o orador tenha dito que analisaria as "questões suplementares" e elaboraria alguns pacotes de ajuda nesta semana, a grande imprensa dos EUA admite que o futuro do pacote de ajuda à Ucrânia ainda está no limbo.
O portal Axios citou o líder da maioria na Câmara, Steve Scalise (republicano pela Louisiana), que disse no rescaldo do ataque iraniano que nesta semana "a Câmara passará do seu calendário legislativo previamente anunciado" para, "em vez disso, considerar legislação que apoie o nosso aliado Israel" e responsabilize o Irã e os seus aliados.
A administração Biden e os democratas querem que Johnson aprove urgentemente o pacote de US$ 95,3 bilhões (cerca de R$ 493,5 bilhões) para apoiar a Ucrânia, Israel e Taiwan. O projeto foi aprovado pelo Senado em fevereiro.
Momento em que Linda Thomas-Greenfield, embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU), é a única a não aprovar a resolução de cessar-fogo na Faixa de Gaza, em 25 de março de 2024 - Sputnik Brasil, 1920, 13.04.2024
Panorama internacional
Irã na ONU: 'Ataque contra Israel é um conflito com o regime israelense; EUA devem ficar longe'
No domingo, o presidente Biden convocou uma ligação com Johnson, o líder da minoria na Câmara, Hakeem Jeffries (democrata por Nova York), o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer (democrata por Nova York), e o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell (republicano pelo Kentucky), e lhes pediu "que aprovassem o suplemento de segurança nacional o mais rápido possível", com base na declaração oficial da Casa Branca.
Ainda assim, o projeto de lei suplementar aprovado pela Câmara Alta há dois meses não contém disposições de segurança fronteiriça extremamente importantes, apontadas pelos republicanos da Câmara como condição para a aprovação da legislação sobre ajuda externa. Parece haver uma ligeira mudança na atitude do Partido Republicano em relação ao assunto, com os republicanos instando Biden a usar sua autoridade presidencial para fechar a fronteira.
Em sua entrevista de domingo, Johnson apontou "nove milhões de encontros oficiais" na fronteira sul durante a presidência de Biden, sugerindo que cerca de 16 milhões de indivíduos com "status ilegal" poderiam ter entrado sorrateiramente nos Estados Unidos. O congressista insistiu que Biden tem uma série de ferramentas políticas para acabar com a confusão, referindo-se às ordens executivas emitidas por Donald Trump para conter o fluxo de imigrantes ilegais para os EUA através da fronteira sul do país.
Casa dos Representantes dos EUA - Sputnik Brasil, 1920, 16.02.2024
Panorama internacional
Câmara dos EUA pausa atividades até o dia 28 e 'pacote de ajuda' à Ucrânia segue indefinido
Além disso, Johnson insinuou que os imigrantes sem documentos poderiam influenciar o resultado das próximas eleições gerais de novembro a favor dos democratas. Ele também mencionou que os republicanos da Câmara fariam o possível para impedir que isso acontecesse.
Ainda segundo o portal Axios, o presidente Biden pode considerar a utilização de uma ordem executiva "nuclear" autorizada pela Seção 212 (f) da Lei de Imigração e Nacionalidade (INA, na sigla em inglês) em breve, possivelmente até o final de abril. Essa disposição concede ao presidente ampla autoridade para implementar restrições à imigração.
Até o momento, Biden tem hesitado em exercer essa opção. Em entrevista à Univision no dia 10 de abril, ele mencionou que "alguns estão sugerindo que eu deveria simplesmente ir em frente e tentar [...]. E se eu for barrado pelo tribunal, serei barrado pelo tribunal". O que levanta a questão se as ordens executivas de Biden relativas à segurança de fronteiras abrirão a porta para a aprovação do Partido Republicano de um novo pacote de ajuda à Ucrânia, especialmente tendo em conta a contínua retirada e perda de território de Kiev.
Logo da emissora Sputnik - Sputnik Brasil
Acompanhe as notícias que a grande mídia não mostra!

Siga a Sputnik Brasil e tenha acesso a conteúdos exclusivos no nosso canal no Telegram.

Já que a Sputnik está bloqueada em alguns países, por aqui você consegue baixar o nosso aplicativo para celular (somente para Android).

Também estamos nas redes sociais X (Twitter) e TikTok.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала