- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

'O momento é agora': para analistas, pressão econômica cria bases para a liberação dos jogos de azar

© Foto / PxHereMáquinas caça-níqueis em cassino em Las Vegas. Nevada, EUA, 2 de setembro de 2017
Máquinas caça-níqueis em cassino em Las Vegas. Nevada, EUA, 2 de setembro de 2017 - Sputnik Brasil, 1920, 24.06.2024
Nos siga no
Especiais
Em entrevista à Sputnik Brasil, analistas apontam que a proposta em trâmite no Congresso que autoriza jogos de azar no país combate a clandestinidade e incentiva o chamado jogo responsável e indicam que a busca pelo equilíbrio fiscal cria um momento oportuno para a legalização da atividade.
Aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado na semana passada, o Projeto de Lei nº 2.234/2022, que autoriza a exploração de jogos de azar em todo o Brasil, tornou-se a grande aposta para trazer equilíbrio para as contas públicas.
A expectativa é de que a aprovação do projeto injete nos cofres públicos uma arrecadação anual de R$ 22 bilhões, com investimentos de R$ 100 bilhões, fomentando o crescimento social e econômico, além de estimular o fluxo de turistas.
O texto da proposta aprovada pela CCJ traça diretrizes para o funcionamento de cassinos e bingos no Brasil, jogo do bicho e apostas em corridas de cavalos. A matéria vem na esteira de outros temas polêmicos, como aborto e porte de drogas, tratados pelo Legislativo nos últimos meses, e a aprovação do texto foi apertada, com um placar de 14 votos a 12.
Por conta da divisão que o tema causa, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e líderes partidários da Casa decidiram que o texto não seguirá imediatamente para votação no Plenário, mas será debatido com mais cautela em uma sessão especial da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva já afirmou que não pretende vetar a proposta, caso seja aprovada pelo Congresso.

"Eu não sou favorável a jogo não, mas também não acho crime", disse Lula em entrevista recente.

Apoiadores da proposta veem momento oportuno para a legalização

Favorável ao projeto de lei, o deputado federal Bacelar (PV-BA) votou a favor da matéria quando foi analisada pela Câmara em 2022. Em entrevista à Sputnik Brasil, ele afirma que a regulamentação da atividade tem potencial para "gerar cerca de 700 mil empregos diretos e indiretos, dinamizando setores como hotelaria, gastronomia, entretenimento e serviços", além de gerar recursos "que podem ser destinados a áreas prioritárias como saúde, educação e segurança pública".
"Em paralelo, a regulamentação ajudará a combater a clandestinidade e a lavagem de dinheiro, trazendo maior segurança e transparência para a atividade. O verdadeiro desafio do Poder Legislativo é a criação e o estabelecimento de leis e regulamentos que permitam aos cidadãos exercerem seu desejo de jogar sob os olhos atentos de regras claramente definidas pelo Estado e sua efetiva aplicação", diz o deputado.
Uma pessoa manipula um celular em um site de apostas esportivas. Brasília, 14 de março de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 27.11.2023
Notícias do Brasil
Líder em apostas, Brasil perde bilhões por resistência 'transversal' à regulamentação, diz advogado
Bacelar sublinha que a discussão em torno da legalização dos jogos e apostas é antiga e já gerou amplos debates em comissões e audiências públicas. Porém, ele afirma que a aprovação na CCJ "é um claro indicativo de que já existe um entendimento robusto sobre a questão".

"É crucial votar logo este projeto em Plenário, pois a regulamentação dos jogos tem o potencial de trazer inúmeros benefícios econômicos e sociais para o país. Com um projeto de lei bem estruturado, que inclui mecanismos rigorosos de fiscalização e proteção ao consumidor, podemos avançar de forma segura. Portanto, o momento é agora. Precisamos aproveitar o trabalho já realizado e avançar com a votação em Plenário para começar a colher os benefícios dessa importante medida."

André Gelfi, diretor-presidente do Instituto Brasileiro de Jogo Responsável (IBJR), também considera o momento oportuno para a legalização dos jogos de azar no Brasil.
Ele argumenta que "os jogos de azar são tão antigos quanto o Brasil e, há séculos, vistos com maus olhos pelos políticos mais conservadores e setores religiosos". E destaca que a decisão de Eurico Gaspar Dutra de proibir a prática em 1946 levou "milhares de pessoas a perderem seus empregos, gerando um impacto negativo na economia, visto que o governo abdicou de uma fonte significativa de receita".

"Nas décadas de 60 e 90, o governo tentou legalizar e regulamentar os jogos de azar e as apostas no Brasil, mas sem sucesso. Agora, tendo em vista a pressão econômica a que o governo está exposto e sua busca por novas fontes de receita, a legalização de todos os jogos de azar está sendo cogitada mais uma vez. E tudo indica que ela pode ser regulamentada oficialmente, como as apostas esportivas e iGaming, em um futuro próximo."

Por sua vez, Fabiano Jantalia, sócio-fundador do escritório Jantalia Advogados e especialista em direito de jogos, destaca que o que está em discussão no Congresso não é apenas "pegar uma coisa que é ilegal e tornar ela legal", mas a criação de um marco regulatório, "com a instituição de regras bem definidas, de acesso, de permanência e de saída ou expulsão de agentes desse mercado".
"Um marco regulatório que contemple também um conjunto de regras que dê proteção aos apostadores, que dê garantia de jogo responsável, de prevenção à lavagem de dinheiro e todo esse conjunto de regras que um setor como esse precisa para operar bem."
Monitores com os índices de apostas de quotas fixas em cassino em Las Vegas, nos Estados Unidos, em 3 de fevereiro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 20.12.2022
Notícias do Brasil
Febre na Copa, apostas on-line movem bilhões no Brasil, mas dinheiro vai direto para o exterior
Quanto às críticas relativas ao incentivo ao vício ou à criminalidade, Jantalia afirma que a experiência internacional mostra que são questões razoavelmente bem endereçadas quando se tem uma política de jogo responsável e fiscalização do Estado. Ele destaca que o balanço de forças "parece apontar muito mais na direção de os benefícios superarem os malefícios, e que isso talvez seja a convicção que está prevalecendo até agora no Congresso".
"Nós precisamos ver o fato de que grandes centros como Las Vegas, Reino Unido, por exemplo, têm uma atividade pujante de jogos e nem por isso têm uma taxa de criminalidade ou índice de criminalidade mais elevadas do que outros locais onde o jogo não está estabelecido."

Jogos de azar podem beneficiar o crime organizado ou induzir ao vício?

Uma das principais críticas à liberação dos jogos de azar é o risco de a atividade se tornar um nicho explorado pelo crime organizado. Questionado se há formas de impedir que isso aconteça, Gelfi diz que é possível, "com uma regulamentação forte do setor, que crie regras claras que devem ser seguidas por operadores, assegurando, entre outras coisas, a transparência dos mecanismos de combate ao crime organizado e à lavagem de dinheiro".
"A regulamentação é a forma mais efetiva para mitigar externalidades e gerar desenvolvimento econômico e social."
Ele acrescenta que a autorização da atividade pode trazer para a sociedade "benefícios comuns a todo setor retirado da ilegalidade: a criação de diretrizes e regras de funcionamento, o recolhimento de impostos, a criação de empregos, a fiscalização dos órgãos públicos e a proteção da sociedade".
"Mas vai muito além disso, porque a possível legalização desses jogos de azar também vai trazer discussões importantes à tona sobre as práticas de jogo responsável, saúde mental, tecnologia e inovação para o setor, assim como já acontece em outros países onde a prática é legalizada", afirma Gelfi.
Por sua vez, Fabiano Jantalia afirma que é justamente a falta de um marco regulatório para o setor, que faz com que "quem eventualmente queira explorar esses jogos hoje esteja ou permaneça na clandestinidade".
Caça-niqueis em cassino - Sputnik Brasil, 1920, 06.12.2018
Notícias do Brasil
Entre o lucro e o fundamentalismo: Brasil rumo à regulamentação dos jogos?
Ele afirma que a proposta em discussão "traz avanços importantes na medida em que estabelece bases para o jogo responsável, definindo, por exemplo, a necessidade de que o apostador seja previamente informado acerca dos riscos, acerca da ludopatia [vício em jogos]".
"Para que o apostador disponha da possibilidade de períodos de pausa, de autoexclusão, que são mecanismos internacionalmente conhecidos de prevenção ao vício, à ludopatia e, portanto, também de jogo responsável. Então, acho que com a aprovação da lei, nós daríamos um passo decisivo nessa direção."

Como garantir o jogo do bicho legal no Rio, onde a atividade é nicho de contraventores?

No caso do jogo do bicho, o projeto de lei determina que em cada estado e no Distrito Federal poderá ser credenciada para explorar o jogo do bicho uma pessoa jurídica a cada 700 mil habitantes. Pessoas jurídicas poderão ser autorizadas a explorar o jogo do bicho por 25 anos, renováveis por igual período. Para pleitear a autorização, precisarão comprovar capital social mínimo integralizado de R$ 10 milhões.
Questionado como garantir que essas regras sejam cumpridas em locais como o Rio de Janeiro, berço do jogo do bicho, onde a atividade é gerida por contraventores, Jantalia afirma que a única maneira é por meio de "um aparato de fiscalização eficiente e um aparato policial que dê conta também do apoio a essa ação de fiscalização".

"Porque de nada adianta a gente legalizar ou estabelecer um marco regulatório para determinadas modalidades de jogo e continuarmos com a prática de jogo clandestino. É preciso inclusive deixar claro que, se por um lado esse projeto de lei abre a possibilidade de explorar licitamente os jogos, por outro ele eleva o nível de exigência e de punição quando transforma praticamente de contravenção a crime a exploração não autorizada de jogos, cassino, bingo."

Projeto pode ser a solução para fechar as contas públicas?

Para Bacelar, "embora a legalização dos jogos de apostas não seja a única solução para fechar as contas públicas, ela certamente pode ser uma parte importante da estratégia de arrecadação do governo".
"A expectativa é que a regulamentação traga uma nova fonte de receita significativa, ajudando a reduzir o déficit fiscal e a financiar políticas públicas essenciais. No entanto, é crucial que essa medida seja acompanhada de outras reformas estruturais e de uma gestão eficiente dos recursos arrecadados. A diversificação das fontes de receita é sempre positiva para a economia do país, e a legalização dos jogos pode contribuir de maneira relevante para esse objetivo, desde que feita de forma responsável e transparente."
Gelfi também avalia que a legalização e a consequente arrecadação de impostos com os jogos de azar por si só não serão capazes de fechar as contas públicas.

"Porém, é inegável a importância dessa fonte de receita para que a União custeie serviços e programas importantes para o país. O relator do PL [projeto de lei] 2234/2022, deputado Irajá Silvestre [PSD-TO], afirmou que a arrecadação potencial com os jogos de azar pode atingir os R$ 22 bilhões por ano, criando 1,5 milhão de empregos diretos e indiretos em estados e municípios."

Foto mostra o cassino flutuante de Puerto Madero, em Buenos Aires, na Argentina, em 20 de janeiro de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 01.02.2022
Notícias do Brasil
'Jogos de azar' no Brasil: os prós e contras do projeto que será votado na Câmara
Já Fabiano Jantalia enfatiza que o propósito fundamental do projeto de lei "nunca foi o de fechar as contas públicas ou suprir lacunas fiscais", mas sim trazer para o Brasil os benefícios sociais e a renda que é levada para outros países onde o jogo é legalizado.
"O que sempre determinou o avanço disso foi o reconhecimento de que o jogo é uma realidade e que, portanto, era preciso garantir a proteção para os jogadores e garantir que houvesse geração de emprego e renda para o nosso país. Porque o que estava acontecendo antes era o fato de as pessoas irem jogar on-line ou fisicamente em outros países onde há o desenvolvimento do turismo por força da questão do jogo, e nós não termos esse mesmo tipo de benefício, esse tipo de efeito econômico positivo."
Ele acrescenta que "quando se fala em marco regulatório de jogos, a questão fiscal talvez seja uma questão secundária".
"O mais importante é estruturar o funcionamento de um setor para gerar emprego e renda, desenvolvimento econômico e proteção, principalmente aos jogadores e aos consumidores. Mas é óbvio que trará uma arrecadação fiscal importante que precisa ser considerada", conclui o advogado.
Logo da emissora Sputnik - Sputnik Brasil
Acompanhe as notícias que a grande mídia não mostra!

Siga a Sputnik Brasil e tenha acesso a conteúdos exclusivos no nosso canal no Telegram.

Já que a Sputnik está bloqueada em alguns países, por aqui você consegue baixar o nosso aplicativo para celular (somente para Android).

Também estamos nas redes sociais X (Twitter) e TikTok.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала