- Sputnik Brasil, 1920
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Preferência verdadeira ou medo de disputas internas: o que leva Lula a apoiar Biden?

© Foto / Palácio do Planalto / Ricardo Stuckert / CC BY 2.0Presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, e o presidente da República do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, durante fotografia oficial na Casa Branca. Washington, D.C., 10 de fevereiro de 2023
Presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, e o presidente da República do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, durante fotografia oficial na Casa Branca. Washington, D.C., 10 de fevereiro de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 09.07.2024
Nos siga no
Especiais
Enquanto alguns líderes da América do Sul se posicionam a favor de Joe Biden na corrida eleitoral norte-americana, outros se calam diante das eleições nos Estados Unidos. Em um mundo em que a posição hegemônica dos EUA é cada vez menor, o que leva cada líder a adotar uma ou outra posição?
A preferência pela vitória do Partido Democrata, o atual presidente Joe Biden, não é escondida pelo chefe de Estado brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva. A mesma é adotada por Gustavo Petro, ainda que o líder colombiano peça pela substituição de Biden por um candidato democrata com maiores chances de vencer o opositor, o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump.
As declarações desses líderes sul-americanos, no entanto, foram feitas de maneira hermética e completamente isoladas de demais líderes do continente, sejam de esquerda ou direita. A presidente do Peru, Dina Boluarte, do Paraguai, Santiago Peña, do Uruguai, Luis Alberto Lacalle Pou, do Chile, Gabriel Boric, da Bolívia, Luis Arce, do Equador, Daniel Noboa e da Venezuela, Nicolás Maduro, não se posicionaram.
A única exceção foi o presidente da Argentina, Javier Milei, que declarou em entrevista ao canal Univision que os Estados Unidos são "um país aliado, independente de ser governado por um democrata ou um republicano".
Javier Milei canta o hino nacional da Argentina em cerimônia em Buenos Aires. Argentina, 5 de julho de 2024 - Sputnik Brasil, 1920, 06.07.2024
Panorama internacional
Mídia: governo Milei está empenhado em promover o esvaziamento do Mercosul
Ricardo Leães, cientista político e professor de relações internacionais na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), diz que o comportamento de silêncio da maioria dos presidentes sul-americanos é o "mais convencional", sobretudo por se tratarem de "países periféricos".
"Lula e Petro destoam da média do que os outros, tão desalinhados com o padrão internacional."
Por sua vez, afirma o professor, a postura de Milei foi surpreendentemente sincera, "no sentido de que ele vai ser aliado de qualquer um dos presidentes dos Estados Unidos".

"Nesse ponto, talvez ele tenha sido até mais coerente do que foi o [ex-presidente Jair] Bolsonaro, que nem reconheceu a vitória do Biden, o que foi algo absolutamente sem precedentes na nossa história."

Quem governa os EUA importa para a América do Sul?

"Tanto faz um republicano como um democrata para a América Latina", diz Heitor Erthal, doutorando em relações internacionais pelo Programa de Pós-Graduação San Tiago Dantas e pesquisador do Observatório do Regionalismo (ODR).
Segundo o especialista, tanto o Partido Democrata quanto o Partido Republicano têm a mesma percepção do papel que a América Latina tem no sistema internacional "e para os interesses dos Estados Unidos" em relação ao continente.
Bandeira dos EUA improvisada é incendiada por manifestantes durante um comício em frente à antiga Embaixada dos EUA, em comemoração ao aniversário de sua apreensão em 1979 em Teerã. Irã, 4 de novembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 28.06.2024
Panorama internacional
'Zelensky não dormiu esta noite': debate de Trump e Biden revela liderança 'deprimente' nos EUA
No entanto, apontam os analistas, se as atitudes dos Estados Unidos para o resto do continente americano não mudará conforme a gestão, quem administra a Casa Branca ainda pode ter influência enorme nos movimentos políticos globais.
Donald Trump é um "partícipe" muito proeminente da ascensão da extrema-direita mundial, crava Leães.

"Sua vitória ou derrota acaba tendo impacto no sentido de legitimar esses movimentos e fortalecê-los. Esse é o maior efeito que teria para a América Latina a vitória dele ou, mesmo, a sua derrota."

Morador de rua dormindo na calçada com a bandeira americana nos EUA - Sputnik Brasil, 1920, 04.07.2024
Panorama internacional
Sonho americano à deriva: instrumentos hegemônicos dos EUA estão cada vez mais 'escassos'
A vitória de Trump em 2016 foi "muito importante para a extrema-direita", diz Erthal, e se ele vencer "vai dar um novo ânimo para essa galera que agora perdeu um pouco de força com a eleição francesa […], assim como um governo trabalhista na Inglaterra".
Nesse sentido, vê Leães, o posicionamento de Lula e Petro tenta "mostrar apoio a uma candidatura democrata porque sabem que, dado o avanço da extrema-direita no mundo, a vitória de Trump vai sem dúvida fortalecê-los".

"E aumentar a chance de que eles obtenham sucessos eleitorais aqui na América Latina também."

A opinião é compartilhada por Erthal, que vê as falas de Lula muito mais relacionadas "à polarização política atual do que uma preferência ideológica ou alguma questão mais íntima que ele tenha com o governo democrata".
O pesquisador ressalta ainda que esse cenário interno é, de fato, o mais determinado para o apoio de Lula a um dos candidatos, uma vez que internamente as eleições norte-americanas não têm mais o poder de determinar a política doméstica brasileira.
Os Estados Unidos hoje não possuem mais o mesmo poder que detinham nas décadas de 1980 e 1990, "porque hoje podemos pensar o sistema internacional a partir de vários polos de poder", sublinha Erthal.
A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni; o chanceler alemão, Olaf Scholz; o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel; o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Rishi Sunak; o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau; a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen; o presidente dos EUA, Joe Biden; o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida; e o presidente francês, Emmanuel Macron, assistem a uma demonstração de paraquedismo durante a Cúpula do G7, em Borgo Egnazia. Itália, 13 de junho de 2024 - Sputnik Brasil, 1920, 13.06.2024
Panorama internacional
'Anacrônico': crise doméstica de líderes do G7 reflete atrofia do grupo
O Estado brasileiro hoje não está mais dependente dos EUA para pensar em "grandes projetos de infraestrutura […], pegar empréstimos, cooperar de alguma forma para fazer mudanças revolucionárias dentro do próprio país".
Na configuração atual do sistema internacional, "temos China rivalizando com Estados Unidos", destaca. "Tem Índia que está crescendo cada vez mais, que também está se tornando uma parceira comercial cada vez mais importante, tem uma ampliação do BRICS […], e o próprio Brasil se relacionando mais com países da Ásia e do Sudeste Asiático."

"Essa configuração multipolar não dá aos Estados Unidos o peso que já tiveram para os rumos da política doméstica dos países da nossa região, dos nossos vizinhos."

Logo da emissora Sputnik - Sputnik Brasil
Acompanhe as notícias que a grande mídia não mostra!

Siga a Sputnik Brasil e tenha acesso a conteúdos exclusivos no nosso canal no Telegram.

Já que a Sputnik está bloqueada em alguns países, por aqui você consegue baixar o nosso aplicativo para celular (somente para Android).

Também estamos nas redes sociais X (Twitter) e TikTok.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала